Páginas

quarta-feira, novembro 17, 2010

Um tempo que ainda não nasceu




Flutuar em sonhos iluminados e brilhantes,
alicerçados em passos do tempo
encantado e cantado nas avenidas da história,
contada e conquistada
em abraços e braços enlaçados.

Sem ilusão,
cantar a solidão do mercado,
suicida dos sonhos e dos ventos.

Propagar os cantos ensinados
por lábios vermelhos,
em vozes brancas, negras e amarelas,
espalhadas por mares
de cores, olhares e luzes.

Acender a vereda do tempo
que insiste em brotar
de sonhos de memórias que persistem.

Insistem em voar pelos continentes,
encantar ouvidos,
brilhar olhares,
tornando-se rochedos
em multidões que resistem.

Flutuar em um tempo que ainda não nasceu.

sexta-feira, novembro 12, 2010

vem ventania




Chuva, ventania e frio....
esse tempo precisa de calor, abraço e encanto...
venta ventania, vem cantar o amanhã...
canta a força do tempo...
canta a beleza das flores e das sementes...
chuva, ventania e frio...
venta ventania, vem cantar a manhã...
vem trazer o amanhã....