Páginas

domingo, fevereiro 15, 2009

A humanidade vencerá.

Ontem ouvi uma música, a letra falava que a fraternidade e solidariedade são apenas cartões postais de políticos em homenagem às festas de fim de ano. Não me lembro o nome do autor. Era a Rádio Cultura de Brasília, uma das minhas preferidas, por tocar cantores desconhecidos e, sempre, boas músicas. Não concordo com o autor da canção.

Ao longo de minha vida o que mais tenho conhecido são pessoas solidárias e fraternas. Quantas vezes pessoas desconhecidas agiram solidariamente comigo. Quantas vezes recém conhecidos também demonstraram esse comportamento. Claro, os amigos antigos são os que mais provam a existência dessa qualidade nas pessoas. Sem dúvida vivi muitos momentos o oposto disso. Há os utilitaristas, os quais aproximam-se apenas enquanto tentam preservar seus objetivos. Conservam apenas relações oportunistas e úteis aos seus interesses. Quantos não agem assim? No entanto, entre o conjunto de meus conhecidos,incluindo parentes, aderentes e parceiros de lutas, sonhos, noites, choros e alegrias, amigos e companheiros, a grande maioria sempre foi solidária. Há aqueles conhecidos de longa data que sustentam-se na inveja e na traição. Felizmente é minoria.

A humanidade, como disse Milton Santos, precisa ser construída. Sem dúvida. Nunca vivemos um período em que a fraternidade e a solidariedade fossem a ação determinante das pessoas. Seja no mundo primitivo, feudal ou capitalista antigo, moderno ou atual. A exceção ao longo da nhistória foi o período das comunidades primitivas em seus clãs e aldeias. Certamente chegamos em uma encruzilhada. Ou construimos relações efetivamente humanas ou retornaremos ao tempo em que o homem também era caça e caçador. O capital, seus agentes e asseclas, atuam, infelizmewnte, ainda assim. Sobrevivência. Mas isso passará. Acredito.

Recentemente devido meu trabalho literario em resgatar a memória de um combatente da luta do povo, o qual era meu irmão, soube que sua viuva acusa-me de aproveitador. Dizia ela que quero vender livros, nada mais. Ao mesmo tempo ela está aliada a um dos suspeitos de ser o mandante do assassino de seu ex-marido. Imagino como seu ex-marido deve estar se sentindo no túmulo. Oxalá possa ao menos se mexer. Mas pessoas assim, como essa viúva, são minoria. Felizmente. Tenho comprovado o alto nível de solidariedade e fraternidade da espécie humana, mesmo com a busca desesperada por status, poder, prebendas do Estado e mordomias. A maioria ainda é solidária e fraterna.

O autor da canção que escutei, a qual tem uma bela melodia, é de Brasília, cidade bela, livre e encantada a quem tem bom emprego, bons salários ou boas redes. A maioria do povo da cidade certamente não caminha no eixão aos domingos, nem vai aos clubes, nem tem acesso aos bosn cinemas, continua explorada e servindo à aqueles que deveriam servir ao público, no entanto sustentam-se na exploração do homem pelo homem. Ultilizam para isso o estado, instrumento de dominação das classe dominantes, a quem servem. Assim mesmo ainda acredito que viveremor um novo tempo, onde todos serão felizes, poderão sorrir ao caminhar com seus filhos ou sonharem em estar ao lado de suas amadas, mesmo distantes. Esse tempo virá.

3 comentários:

Ana Lúcia Araújo disse...

Nossa, gente! Acho de baixíssimo nível tecer comentários desses sobre o Pedro e o seu trabalho. Pedro, não dê eco, ouvido sequer a este gênero de coisa, pois para apenas vender livros, vc poderia escrever sobre outras coisas mais divertidas, que sempre vendem... não se deixe impressionar por gente limitada e estagnada. Vamos à luta!

Anônimo disse...

Acredito nas histórias de vida que as pessoas constroem para si, o importante é sempre perseguimos nossos sonhos, no decorrer da nossa trajetória encontraremos pessoas que comungam com nossos ideais e outras que não! O que tiramos disso? que o que vale de fato é a nossa luta, nosso grau de comprometimento com nossos sonhos! Pedro Cesar vc é um cara que acredita nos seus sonhos e luta por eles, isso é o que importa! Desejo muito sucesso ao seu livro é que isso se reflita e contribua pela concretização de que um mundo melhor é possível! Abraços.BY Claudia Leal

Jornalismo Político disse...

Caro Pedro, tudo bem?

A sua amiga Ana Lúcia fez uma ponte com a minha noiva para que eu chegasse até seu blog e ao seu livro, assunto principal do papo pelo Orkut.

Tenho um site de política: www.jornalismopolitico.com e um blog: wwww.jornalismopolitico.blogspot.com

Ela comentou por Orkut que tem interesse em promover seu livro. Assim que tiver um tempo, por favor, envie um e-mail para discutirmos o assunto.

Meu e-mail: redacao@jornalismopolitico.com ou paulozildene@jornalismopolitico.com

Um tríplece e fraternal abraço do Pedreiro Livre

Paulo ZILDENE